CONTRIBUA COM NOSSAS AÇÕES... ENTIDADE PARCEIRA REDE MANDACARU BRASIL

domingo, 22 de março de 2015

Vamos agora assistir à aula “Relações étnicoraciais e educação”, ministrada pela professora Petronilha Silva e disponível no seguinte endereço: https://www.youtube.com/ watch?v=3jzxBnlpySY. Procure elaborar um check-list com as informações fornecidas pela professora que formataria uma política de valorização da cultura afro-brasileira.


Atividade I: Vamos agora assistir à aula “Relações étnicoraciais e educação”, ministrada pela professora Petronilha Silva e disponível no seguinte endereço: https://www.youtube.com/ watch?v=3jzxBnlpySY. Procure elaborar um check-list com as informações fornecidas pela professora que formataria uma política de valorização da cultura afro-brasileira.

PARTINDO DO VÍDEO DA PROFESSORA PETRONILHA NÓS FIZEMOS UMA LISTA A PARTIR DAS SÁBIAS E MARAVILHOSAS PALAVRAS DA PROFESSORA E MESTRA EVOCANDO O DIREITO PRIMORDIAL DAS DIVERSIDADES ETNICOS RACIAS E SEUS MEANDROS,  NO TOCANTE AS DIRETRIZES CURRICULARES DO ENSINO ETNICO RACIAL E OU TAMBÉM EVOCANDO O DIREITO MAGNO DA PRÓPRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL QUE PROMULGA ESSES PARTINDO DO SEU PRIMEIRO ARTIGO E ASSIM SUBSEQUENTEMENTE:

            Partindo da fala (Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva): Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva nasceu em Porto Alegre, no bairro Colônia Africana, em 1942. É licenciada em Letras e Francês (1964), possui mestrado em Educação (1979) e é doutora em Ciências Humanas - Educação (1987) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. transcrevemos assim pontos norteadores da fala da mestra professora, ponto a ponto  cronologicamente em seu discurso:

Tema proposto e evocado: Educação das relações étnicos raciais e educação
como obrigatoriedade a partir da lei e seu aniversario da lei 10.639/03;

Momento de avaliação constante e cuidadosa de política pública e ação afirmativa da população negra no Brasil,  reconhecimento da população negra em sua totalidade afirmativa e reparadora e construtiva no processo assertivo de nossa identidade, e  bem como da presença desta população negra no Brasil e toda a sua construção e participação afirmativa;
Indaga-se por que se fez tão pouco e o que esta em jogo com esta política afirmativa e reparadora;
Material de ensino e formação existem? Formação dos professores?
- ouso a responder que a longo dos anos milhares de reais foram investidos nestas em capacitações e mobilizações e outras assertivas  e outrossim a exemplo este nosso próprio curso de formação faz parte deste momento de formação de educadores alem de tantos outras ações cito uma:
 projeto a cor da cultura: http://www.acordacultura.org.br/;
A criação dos fóruns permanentes de educação étnico racial: 
Movimento negro  força a discussão nacional e fala e constrói a muitas mãos a educação das ERER entre  1980 e 1990 num arcabouço histórico iniciado pelos grupos de resiliencia negra sejam nos kilombos, senzalas, lutas no grupo de teatro negro – 13 de maio e 20 de novembro (ida as escolas  dos professores e militantes questionam as escolas???)
“Abertura de projeto e ou final de projeto de ação permanente e longa questionam militantes do movimento negro... e escolas questionam nos não sabemos como realizar”
Reunião de professores negros onde tinham atividades pelo pais inteiro em grandes cidades e pequenas cidades no Brasil inteiro, o que podemos fazer?
Primeiros cursos de formação de historia afro brasileira e africana; mesmo com poucos conteúdos;
Não se trata de novos conteúdos – relação das pessoas negras e não negras serão humanizadas – inter relação e respeito mutuo.  Ser relação respeito e reconhecimento nas suas diferenças, partindo então as ERER;
Afirmação da leis 10.639/03 e 11.645/08  (corrigindo a mestra Petronila), partindo do CNE e elaboração das relações pedagógicas e diretrizes curriculares e interpretação do CNE;
Historia e cultura negra e as relações cultura negra e afirmação e reafirmação;
CNE seguindo o que MN vinha dizendo sobre conteúdo ERER e suas relações existentes  tem que ser reformuladas;
Pauta para uma política afirmativa de estado mais que não incide unicamente em conteúdos não diminuindo o valor do conteúdo previsão de respeito dos conteúdos ;
Parecer do CNE todos os brasileiros devem conhecer e respeitar todos as etnias e povos além do CNE a própria constituição devera negociar isso e novo projeto de sociedade que sociedade nos queremos. Estabelecimento das diretrizes curriculares étnicos raciais;
Não só simples conteúdo mais amplo respeito a todas as raízes e não só parecer da CNE mais ato constitucional, estabelecer no conhecimento mutuo de nossas raízes e projeto de sociedade conhecer o outro e conviver o outro não como tolerância mais como igual;
Partindo do projeto que sociedade que queremos Incidências entre áfrica e diáspora relações internacionais, reconhecendo a historia de áfrica e dos escravizados e bem como a historia do velho continente. Reconhecer a nossa historia parte também da própria raiz africana e indígena e não só a européia;
A escola como sociedade ampla privilégio para uns  que se consideram elites e perfeitos e marginalização para outros.. relações incidem no modo de ser e viver de todos os brasileiros hierarquias racismo e discriminação são ensinados em relações hostis...em todos os níveis de ensino sejam no infantil, fundamental ate as IES;
Sistema mundo patriarcal implementado dono da vida partindo do mundo Séc XVI num sistema patriarcal estrutura senhor, escrivão e padre dono de tudo lugares guardados em todo;
Em clima de século XVI vem escola com jesuítas socialização de escolas orientada da assimilação e da inculturação convencidos todos como brancos, reforço a crianças negras referendo da identidade falida, participando direta da morte de identidade da própria vida. Falta de incentivo do dialogo da corroboração de ações;
Incentivo de convívio o dialogo a possibilidade de todos nos os que nos abrimos mão e o que tu tens que abri mãos;
“Palavras de 1897 Rui Barbosa eleita senador: as chaves misterioso que nos aflige a ignorância popular  e mãe da ignorância e da  miséria”;
Atribuir ao povo a razão da pouca escolaridade e da preguiça falta de interesse relegadas ao povo;
1980 educação escolar indígena e parecer escolar Kilombola esforço por parte das políticas publicas o que falta: Os próprio professores, diretores e  executores da política  e cidadãos que tenhamos crianças na escola ou não,  não costumamos lê os textos legais , executar textos legais;
Que projeto de sociedade a escola tem,  os professores tem que projeto,  a comunidade escolar qual o projeto fora o mono cultural. Que projeto de sociedade eu estou perpassando eu estou passando;
Trafico humano crime da humanidade Cristiane Taubirar.  A um litígio no crime meio mais perene na memória coletiva este crime, o que deve considerar um conhecimento a todos;
Políticas cumpridas por todos os brasileiros, temos que esta próximo das escolas de posse das diretrizes curriculares e fazer cobranças e fazer cobrança sociedade equânime, os primeiros que fizerem serão loucos e expulsos mais deveremos resistir, as escolas e universidades vão mudar;
Fazer esta leitura a partir das Africanidades e afro brasileiras,  busca africanos e diáspora e do continente, humanização no nosso pais e fortalecer o bem comum orientar o principio das relações étnicos africanos;
Estabelecer a médio prazo Intercambio da língua africana incentivar, bem como incentivo do aprendizado de pelo menos uma ou duas das 200 línguas indígenas do pais também  assim como eu quero estabelecer um conhecimento da cultura européia preciso saber um ou duas língua européia;
Troca de conhecimento e recriação de cosmovisão entre as diferentes formas que criam a cultura brasileira,  caberá a nos professores e a todos os interessados;
Excelência acadêmica e revalidar a cultura, são necessários para uma sociedade étnica pluri-étnica  e pluricultural;
Instigar a todos a luta e participação ....”professora e mestra Petronila....

APROVEITAMOS PARA SOCIALIZAR TAMBÉM AS AFIRMAÇÕES LEGAIS ESPECIFICAS PARTINDO DO MEC/SECADI.
Pareceres e Resoluções sobre Educação das Relações Étnico-Raciais

http://portal.mec.gov.br/index.php?catid=323:orgaos-vinculados&id=12988:pareceres-e-resolucoes-sobre-educacao-das-relacoes-etnico-raciais&option=com_content&view=article
Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.
Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.
Parecer quanto à abrangência das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.
Orientações para que a Secretaria de Educação do Distrito Federal se abstenha de utilizar material que não se coadune com as políticas públicas para uma educação antirracista.
Denúncia de racismo na Escola Estadual Delmira Ramos dos Santos, localizada no Bairro Coophavilla II, Município de Campo Grande, MS.

Reexame do Parecer CNE/CEB nº 15/2010, com orientações para que material utilizado na Educação Básica se coadune com as políticas públicas para uma educação antirracista.
Palavras-chave: CNE, diretrizes, relações, étnico, raciais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RADIO MANDACARU BRASIL RESISTENCIA NORDESTINA